top of page

PLANEJAMENTO, DECUPAGEM E ROTEIRO TÉCNICO - Esteja preparado para tudo!!!


Não pode ler agora? Ouça esse conteúdo no nosso canal do Telegram. (clique aqui)


Hey Dreamers! Tudo bem?


No assunto de hoje vamos tratar de outro aspecto fundamental para o sucesso na produção audiovisual: planejamento e organização.


No primeiro post comentamos sobre a importância de se adaptar, chegar na locação ver o local, observar as condições e caso algo dê errado a gente adapta e improvisa. Hoje nós vamos ver a importância de você planejar e fazer um roteiro de exatamente tudo o que vai acontecer: do início ao fim na sua produção.





Espero que você tenha visto o vídeo que eu enviei para você lá no grupo do Telegram ( se não está no grupo, clique aqui) Esse é o primeiro corte de uma cena do espetáculo de cine-teatro Tati Búfala que eu fiz a direção audiovisual. É uma cena relativamente simples: um diálogo entre duas personagens em uma locação apenas. Eu já tinha informações importantes para o andamento da história, mesmo assim foi um roteiro que eu demorei para fazer; adaptar um texto teatral para um roteiro de cinema não é uma tarefa simples. Temos que interpretar as rubricas, adaptar algumas falas para a estética realista do cinema, pensar nos cortes, no posicionamento das câmeras e na distância focal que cada objetiva vai estar em determinados planos.


Recebi o texto com a dramaturgia teatral e logo fui trocar uma ideia com o autor que também era um dos atores do elenco. Sempre que possível, além de conversar com o diretor da peça eu tento conversar com o autor do texto, são visões diferentes que podem agregar muito ao meu trabalho.


Pronto! Captei as duas ideias e agora chegou a hora de dar a minha assinatura: o cinema. Peguei o texto, li várias vezes e comecei a fazer anotações, a forma de falar, alguma frase que cause algum estranhamento fonético ou que seja difícil para os atores falarem, alguma mudança ou inversão de parágrafos; depois começo a pensar nos planos de enquadramento: plano médio, plano geral, detalhe, etc. Após marcar tudo isso no roteiro fomos para a locação, eu, parte da equipe técnica e dois atores para marcação.


Depois de alguns km de estrada (a locação era em outra cidade) fomos visitar o lugares onde gravaríamos. Neste momento o importante é fazer a demarcação de cenas com os atores, esquecendo totalmente o equipamento. Marque, busque que a movimentação seja dinâmica e orgânica e que eles se sintam à vontade. Não adianta você ter a melhor câmera do mundo se o seu ator ou atriz está desconfortável fazendo a cena, isso vai aparecer mais nítido do que nunca na tela.


Demarcada a cena, conversa encerrada com o elenco, hora de fazer as marcações com os equipamentos. Onde as câmeras vão ficar posicionadas, em qual milimetragem as lentes vão estar, quando vão acontecer os corte. Muitas vezes a marcação dos atores vai ter que ser reajustada neste processo, por limitação do equipamento ou simplesmente para melhorar a plástica da cena.


No dia que fomos fazer a demarcação, infelizmente, uma das atrizes não pôde comparecer. O que fiz? Levei uma dublê que ficou encarregada de passar as informações para a sua colega ausente. E claro! Se a atriz se ausentasse no dia da gravação, eu já teria uma substituta a postos. Dica por experiência própria: sempre, SEMPRE! Tenha um elenco de substitutos. Há bons e maus profissionais em diversas áreas e com o teatro e cinema não é diferente. Além de que estamos susceptíveis a forças maiores constantemente.


Voltando: geralmente você usa poucas milimetragem (distâncias focais) diferentes, uma ou duas. As lentes profissionais do cinema em sua grande maioria são fixas. (Se você não sabe o que é uma lente fixa estamos preparando um post para as próximas semanas, fique ligado) mas como temos na nossa mão DSLRs com as lentes zoom então é muito fácil você se confundir e você mudar de um take pra outro e não perceber, isso gera um aspecto visual diferente na sua produção. Você grava uma cena em 24mm, outra 140mm, 50mm e esse aspecto Pode parecer um preciosismo mas esse aspecto acaba impactando diretamente e isso vai interferir negativamente no produto final como que o público vai receber a sua obra visual. Fiz a marcação das câmeras dos atores do momento do corte, do plano e da milimetragem então foi tudo minuciosamente escrito no roteiro. Quando voltássemos no segundo dia já iríamos gravar outras cenas em outros locais e assim não perderíamos tempo buscando o ângulo ideal ou combinando como vai ser a cena na hora H.


Eu já tive a péssima experiência de ir para uma gravação sem a decupagem de cena e foi extremamente improdutivo. Conseguimos fazer a cena, mas demoramos 3x mais tempo do que se tivéssemos um roteiro técnico decupado.


É muito importante vocês saberem que o improviso é muito frequente na nossa profissão! E fundamental na nossa carreira vocês saberem exatamente o que vão fazer caso haja as condições ideais de temperatura e pressão e caso alguma coisa dê errado também! Para isso a seu planejamento alinhado com uma boa equipe de produção/ time de apoio e sua capacidade de improviso e condução do elenco/equipe são elementos chaves para o sucesso no trabalho! Como alcançamos isso? Praticando, praticando e praticando!


Grande abraço!

D. Arteac


93 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page